Reprodução humana

Reprodução humana
Cristiane Gobo Cristiane Gobo
04/03/2016 10:32:50 hs

Colaboração: Dr. Fernando R. Santos

 

A escolha do profissional ou da clínica especializada em infertilidade deve ser criteriosa, haja vista que alguns detalhes têm influência direta no tratamento do casal. A paciente deve sentir-se à vontade. É normal que os casais tenham muitas dúvidas nesse tipo de acompanhamento médico, pois os detalhes e etapas são bastante complexos.

 

Certifique-se se o profissional tem realmente formação em reprodução assistida. Certifique-se se o centro de reprodução humana que seu médico disponibiliza está dentro das normas exigidas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), por meio do SisEmbrio (Sistema Nacional de Produção de Embriões), que pode ser acessado pela internet.

 

Após uma avaliação médica e laboratorial – e, quando necessário, uma orientação sobre hábitos e estilo de vida do casal –, chega-se a um possível diagnóstico. Vale lembrar que 15% dos casais não conseguem um diagnóstico preciso (ISCA – Infertilidade Sem Causa Aparente). Nesses casos, a idade da mulher passa a ser um ponto decisivo para a conduta e escolha do tipo de tratamento. Os tratamentos podem ser clínicos (medicamentosos), cirúrgicos ou mais complexos, necessitando de acompanhamento especializado em clínicas de reprodução assistida.

 

O tratamento em reprodução assistida consiste em um conjunto de técnicas laboratoriais utilizadas pelos médicos e embriologistas para promover a fecundação do óvulo (oócito) pelo espermatozoide, quando ela não ocorre por meios naturais. Esses procedimentos podem ser classificados quanto à complexidade em:

 

I – Baixa complexidade: indução da ovulação – coito programado (CP).

 

II – Média complexidade: inseminação intrauterina (IIU).

 

III – Alta complexidade: fertilização in vitro (FIV), com ICSI (Injeção Intracitoplasmática do Espermatozoide), que pode ainda estar associada a:

 

• congelamento de embriões;

 

• congelamento de óvulos;

 

• biopsia embrionária: DPI (Diagnóstico Pré-Implantacional) ou PGD (Pre-implantation Genetic Diagnosis).

 

A escolha do tratamento, entre fertilização in vitro, inseminação intrauterina ou indução da ovulação, leva em conta principalmente a idade da mulher, os fatores causadores da infertilidade, assim como o grau de expectativa e a disponibilidade financeira do casal.

 

As taxas de sucesso dos tratamentos em reprodução assistida variam de acordo com o tipo de tratamento realizado e com a idade da mulher. A média de êxito com a indução da ovulação com coito programado é de 13%; a da inseminação intrauterina é em torno de 20%; e da fertilização in vitro fica em 40%, por tentativa. Mulheres abaixo de 35 anos têm taxas de sucesso melhores que daquelas com mais de 35 anos, podendo chegar a 60% em pacientes abaixo de 30 anos submetidas a fertilização in vitro, devido à qualidade do óvulo.

 

Foto: Fabiana Copetti

Leia também

Inseminação intrauterina

Inseminação intrauterina
A inseminação intrauterina é a introdução de sêmen (previamente preparado no laboratório de reprodução humana) no interior do útero, com o objetivo de se obter gestação. Este processo somente aproxima o(s) óvulo(s) dos espermatozoides, no qual ambos...

Os tratamentos de reprodução humana e a epigenética

Os tratamentos de reprodução humana e a epigenética
As mulheres que precisam receber óvulos para engravidar têm uma grande preocupação: se o filho que será gerado por elas terá sua semelhança física e comportamental, uma vez que temem que, no futuro, possam duvidar ou desconfiar da origem dos óvulos. É claro que, de início,...

Transferência de embriões após a fertilização in vitro

Transferência de embriões após a fertilização in vitro
É o procedimento no qual os embriões que foram fertilizados in vitro, ou seja, dentro do Laboratório de Reprodução Humana, são transferidos ao útero da mãe.   Quando fertilizado de maneira natural, o embrião passa por um estágio chamado blastocisto. Assim, os estudos...

Endometriose x Fertilidade

Endometriose x Fertilidade
A endometriose é uma doença caracterizada pela presença de tecido semelhante ao endométrio, com glândulas e estroma, fora da cavidade uterina. Acomete principalmente órgãos pélvicos, como ovários, trompas, intestino, superfície externa e parede do útero, bexiga,...

O zika vírus e os tratamentos de reprodução assistida

O zika vírus e os tratamentos de reprodução assistida
Colaboração: Fernando R. Santos   A infecção pelo zika vírus tem causado uma grande preocupação entre todos, principalmente entre as mulheres grávidas e os casais que desejam engravidar. Com toda a razão, pois as notícias que se espalham no país ainda...

Infertilidade. Quem pode ser infértil?

Infertilidade. Quem pode ser infértil?
 O que é infertilidade?   Um indivíduo, homem ou mulher, é considerado infértil quando apresenta alterações no sistema reprodutor que diminuem sua capacidade ou o impedem de ter filhos. A princípio, um casal é considerado infértil quando, após de 12 a 24 meses de...

Novembro Azul

Novembro Azul
O movimento conhecido como Novembro Azul teve início na Austrália, em 2003, por conta do Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata (17 de novembro) e do Dia Internacional do Homem (19 de novembro). Muitas entidades passaram a abraçar essa causa para chamar a atenção dos homens sobre a...

O Ressurgimento da Tuberculose

O Ressurgimento da Tuberculose
Não é só o câncer que mata. A tuberculose também mata. Matou muito nos séculos passados. Grandes personagens da nossa história e da nossa cultura faleceram ainda jovens, vítimas da tuberculose.    Recentemente a medicina teve grandes avanços no tratamento desse...

Poliomelite

Poliomelite
Conhecida,  já, entre os Egípcios (1580 a.C.) e citada pelos gregos (Hipócrates),  e romanos (Galeno), foi  no final do século XIX, que  a poliomielite  produziu grandes epidemias na Europa e América. Doença grave, muito contagiosa, epidêmica,...