Aderência ao tratamento

Aderência ao tratamento
Drauzio Varella Drauzio Varella
22/04/2016 10:42:13 hs

Damos o nome de “aderência” à assiduidade com a qual seguimos as recomendações médicas. Ela é mais alta nas doenças agudas, sintomáticas. Um doente com pneumonia e falta de ar faz repouso e toma sete dias de antibiótico, nos horários recomendados. Difícil é manter os esquemas contra a tuberculose que duram seis meses ou contra Aids, hipertensão, diabetes e doenças cardiovasculares, que devem continuar pela vida inteira.

 

Nas enfermidades crônicas, mesmo em ensaios clínicos internacionais que incluem participantes selecionados e acompanhados de perto, as meta-análises demonstram que a aderência varia entre 43% e 78%.

 

No Brasil, ocorrem cerca de 300 mil mortes anuais por doença cardiovascular, o equivalente a um óbito a cada dois minutos. Nas últimas décadas surgiram betabloqueadores, antiagregantes plaquetários, estatinas e outros medicamentos capazes de reduzir o risco de ataques cardíacos, derrames cerebrais e óbitos, tanto em pessoas com risco elevado de apresentar tais complicações (prevenção primária) quanto naqueles que já as enfrentaram (prevenção secundária).

 

Um estudo sobre prevenção secundária conduzido com 4.761 pacientes que receberam prescrição de uma dessas drogas mostrou que, depois de um ano, apenas 809 (17%) permaneciam em tratamento. Em outro estudo semelhante, o seguimento de 8.864 pacientes durante um ano revelou que 88% abandonaram a medicação.

 

As causas para a interrupção são multifatoriais: custo, efeitos indesejáveis, dificuldade para marcar consultas, falta de informações sobre a finalidade da medicação e os riscos de interrompê-la, indisciplina, baixa escolaridade, negação e dificuldades no relacionamento médico-paciente.

 

Nós, médicos, contribuímos involuntariamente para esses índices de aderência: entregamos as receitas nas mãos de nossos doentes e imaginamos que eles as seguirão religiosamente, sem levarmos em conta as suas idiossincrasias.

 

Um hipertenso mal informado dos riscos de viver com pressão alta e da necessidade de medi-la e controlá-la, dificilmente tomará com regularidade as drogas prescritas. O sobrevivente de um ataque cardíaco precisa ser convencido de que ao lado da atividade física e da dieta equilibrada, a medicação pode evitar que aconteça outro.

 

Se nas condições de trabalho que o sistema público e os planos de saúde impõem à prática de hoje, o tempo de cada consulta é insuficiente para explicações mais detalhadas, precisamos de pessoas que nos ajudem. Quem são elas? Os familiares do doente e as enfermeiras, profissionais subutilizadas no Brasil.

 

A experiência mostra que contatos periódicos por telefone, SMS, e-mail ou WhatsApp aumentam significativamente a aderência. Equipes de enfermagem podem realizar esse trabalho com muito mais eficiência do que nós.

 

De que adianta basearmos nossa prática nas melhores evidências científicas se nossos pacientes não levarem a sério as mudanças de estilo de vida que lhes recomendamos ou não tomarem os remédios receitados?

 

Leia também

Germes, asma e alergia

Germes, asma e alergia
A genética tem grande influência na suscetibilidade à asma e aos quadros alérgicos. Se um dos pais apresenta uma dessas doenças, os filhos correm mais risco de desenvolvê-las, quando são os dois pais, a probabilidade aumenta. Nos últimos 50 anos, entretanto, o crescimento dramático...

Apendicite, o que fazer?

Apendicite, o que fazer?
Apendicite é a principal causa de cirurgia abdominal de emergência. A incidência durante a vida varia de 7% a 14%. Os homens correm risco mais alto. A doença instala-se quando fragmentos de fezes obstruem a luz do apêndice juntamente ao ceco, provocando distensão, crescimento de bactérias e...

A genética das raças

A genética das raças
Embora a definição de raça não apresente consistência científica, tem sido empregada como categoria taxonômica baseada em traços hereditários comuns, como a cor da pele, para elucidar a relação entre a ancestralidade e os genes. O uso do conceito biológico de...

Demência avançada

Demência avançada
Demência é uma doença progressiva e incurável. O último ano de vida é caracterizado pela deterioração gradativa de múltiplas funções fisiológicas e cognitivas.   Um estudo que durante 18 meses acompanhou 323 pacientes com demência avançada...

NICE

NICE
O Serviço Nacional de Saúde inglês tem 65 anos de história. Todos os cidadãos do Reino Unido têm direito à assistência médica gratuita. O pragmatismo inglês, no entanto, leva a sério o princípio de que não há dinheiro no mundo suficiente para pagar tudo...

Zika nas Américas

Zika nas Américas
A pandemia explosiva do vírus zika que ocorre nas Américas do Sul, Central e Caribe é uma das quatro doenças virais transmitidas por artrópodes a chegar inesperadamente no Hemisfério Ocidental.”   Assim começa a revisão publicada pelo The New England Journal of Medicine,...

A hipótese das avós

A hipótese das avós
-A morte quase sempre coincide com o fim do período de fertilidade.  Mas não nos seres humanos   Se a vida na terra tem algum sentido é o crescei e multiplicai-vos. A maioria dos vertebrados morre quando o vigor reprodutivo chega ao fim. Seres humanos são uma das raras...

O café e o sono

O café e o sono
A cafeína é inimiga da adenosina, essencial para o cérebro repousar  Sem um gole de café pela manhã, sou indigente. Consigo trabalhar, falar o essencial e até raciocinar, mas em câmera lenta. É o primeiro cafezinho que me devolve a vontade de viver. Um estudo...

Quanto vale a sua marca?

Quanto vale a sua marca?
Lidar com valor de produtos (preço), mercadorias e serviços, compra e venda, estoques... faz parte de pequenas, médias e grandes empresas. Cada item tem o seu preço, o seu valor, a sua margem de lucro. Mas quando se trata de reconhecer ou avaliar o valor da marca de uma organização, nem sempre é uma...

Marcas de alto renome

Marcas de alto renome
Se você nunca ouviu falar nos termos marcas de “alto renome” e/ou “notoriamente conhecidas”, certamente conhece e usa marcas enquadradas nesses termos. Alguns exemplos são: Honda, Fusca, Nike, Microsoft, McDonald’s, Adidas, Pirelli, Coca-Cola, 3M, etc.   Mas como e por que elas são...