A hipótese das avós

A hipótese das avós
Drauzio Varella Drauzio Varella
15/01/2016 10:18:49 hs

-A morte quase sempre coincide com o fim do período de fertilidade. 

Mas não nos seres humanos

 


Se a vida na terra tem algum sentido é o crescei e multiplicai-vos. A maioria dos vertebrados morre quando o vigor reprodutivo chega ao fim. Seres humanos são uma das raras exceções.

 


Sob a perspectiva evolucionista, qual seria a explicação para que as avós, mulheres já estéreis que pouco contribuem para a produção de alimentos, permaneçam vivas e com a cognição preservada?

 


Um estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) propõe uma explicação genética para esse fenômeno.

 


Em 1998, um trabalho de campo havia mostrado que no grupo Hazda, de caçadores-coletores da Tanzânia, sobreviviam mais crianças nas famílias com avós que ajudavam a alimentá-los e lhes transmitiam tradições culturais e ensinamentos ecológicos. Graças a essa atuação, seus genes levariam vantagem na passagem para as novas gerações, teoria que ficou conhecida como “a hipótese das avós”.

 


A deterioração da capacidade cognitiva associada ao envelhecimento, entretanto, compromete essas vantagens e torna-se onerosa aos membros do grupo.

 


No estudo da PNAS, o grupo de Ajit Varki e Pascal Gagneux, da Universidade da Califórnia, avaliou a contribuição de um gene (CD33) envolvido no controle das respostas inflamatória e imunológica às infecções e na doença de Alzheimer, enfermidade característica da fase pós-reprodutiva.

 


Pesquisas anteriores haviam documentado que o CD33 tem duas variantes (alelos), uma das quais predispõe à doença, enquanto a outra protege contra a proteína que se acumula no cérebro dos pacientes com Alzheimer.

 


Para elucidar o papel do CD33, o grupo comparou essas duas variantes com as dos chimpanzés e dos bonobos, nossos parentes mais chegados.

 


Verificaram que seres humanos e chimpanzés apresentam níveis semelhantes da variante deletéria, enquanto a protetora atinge níveis quatro vezes mais elevados entre nós.

 


Esse achado sugere que os chimpanzés, primatas em que a morte costuma coincidir com o fim do período de fertilidade, nunca viveram o suficiente para usufruir as vantagens da variante protetora. De fato, entre eles não são encontrados os transtornos cognitivos típicos do Alzheimer.


Pesquisando em bancos de dados do Projeto Genoma, os autores encontraram a variante protetora em etnias africanas, americanas, europeias e asiáticas.

 


O CD33 protetor, no entanto, não está presente em todas as pessoas. Conhecê-lo em profundidade pode levar a medicamentos que mimetizem seus efeitos.

 


De qualquer forma, é muito interessante descobrir que nossa espécie selecionou uma variante para nos proteger de uma doença que somente se instalará na oitava ou na nona década de vida, fase distante da seleção reprodutiva. Esse mecanismo seletivo operaria no sentido de maximizar as contribuições de indivíduos em idade pós-reprodutiva, para a sobrevivência dos mais novos.

 


Os autores concluem que “as avós são tão importantes, que nós evoluímos genes para proteger suas mentes”. •

 

Leia também

Germes, asma e alergia

Germes, asma e alergia
A genética tem grande influência na suscetibilidade à asma e aos quadros alérgicos. Se um dos pais apresenta uma dessas doenças, os filhos correm mais risco de desenvolvê-las, quando são os dois pais, a probabilidade aumenta. Nos últimos 50 anos, entretanto, o crescimento dramático...

Apendicite, o que fazer?

Apendicite, o que fazer?
Apendicite é a principal causa de cirurgia abdominal de emergência. A incidência durante a vida varia de 7% a 14%. Os homens correm risco mais alto. A doença instala-se quando fragmentos de fezes obstruem a luz do apêndice juntamente ao ceco, provocando distensão, crescimento de bactérias e...

A genética das raças

A genética das raças
Embora a definição de raça não apresente consistência científica, tem sido empregada como categoria taxonômica baseada em traços hereditários comuns, como a cor da pele, para elucidar a relação entre a ancestralidade e os genes. O uso do conceito biológico de...

Demência avançada

Demência avançada
Demência é uma doença progressiva e incurável. O último ano de vida é caracterizado pela deterioração gradativa de múltiplas funções fisiológicas e cognitivas.   Um estudo que durante 18 meses acompanhou 323 pacientes com demência avançada...

Aderência ao tratamento

Aderência ao tratamento
Damos o nome de “aderência” à assiduidade com a qual seguimos as recomendações médicas. Ela é mais alta nas doenças agudas, sintomáticas. Um doente com pneumonia e falta de ar faz repouso e toma sete dias de antibiótico, nos horários recomendados. Difícil...

NICE

NICE
O Serviço Nacional de Saúde inglês tem 65 anos de história. Todos os cidadãos do Reino Unido têm direito à assistência médica gratuita. O pragmatismo inglês, no entanto, leva a sério o princípio de que não há dinheiro no mundo suficiente para pagar tudo...

Zika nas Américas

Zika nas Américas
A pandemia explosiva do vírus zika que ocorre nas Américas do Sul, Central e Caribe é uma das quatro doenças virais transmitidas por artrópodes a chegar inesperadamente no Hemisfério Ocidental.”   Assim começa a revisão publicada pelo The New England Journal of Medicine,...

O café e o sono

O café e o sono
A cafeína é inimiga da adenosina, essencial para o cérebro repousar  Sem um gole de café pela manhã, sou indigente. Consigo trabalhar, falar o essencial e até raciocinar, mas em câmera lenta. É o primeiro cafezinho que me devolve a vontade de viver. Um estudo...

Quanto vale a sua marca?

Quanto vale a sua marca?
Lidar com valor de produtos (preço), mercadorias e serviços, compra e venda, estoques... faz parte de pequenas, médias e grandes empresas. Cada item tem o seu preço, o seu valor, a sua margem de lucro. Mas quando se trata de reconhecer ou avaliar o valor da marca de uma organização, nem sempre é uma...

Marcas de alto renome

Marcas de alto renome
Se você nunca ouviu falar nos termos marcas de “alto renome” e/ou “notoriamente conhecidas”, certamente conhece e usa marcas enquadradas nesses termos. Alguns exemplos são: Honda, Fusca, Nike, Microsoft, McDonald’s, Adidas, Pirelli, Coca-Cola, 3M, etc.   Mas como e por que elas são...