Qual lição a Operação Pecúlio deixa para Foz do Iguaçu?

Qual lição a Operação Pecúlio deixa para Foz do Iguaçu?
Bruno Soares Bruno Soares
16/09/2016 10:49:14 hs

Foto: A Gazeta do Iguaçu

 

O esquema de corrupção revelado este ano pelos desdobramentos da Operação Pecúlio escancarou para a sociedade iguaçuense os meandros que circundam o universo político de nossa cidade.

 

Tráfico de influência, manipulação de leis, fraude a licitações, pagamento de propina, desvio de dinheiro público. O “toma lá dá cá” que aparentava ser algo exclusivo dos grandes centros de poder demonstrou-se presente de forma escandalosa bem próximo de nós.

 

A cada fase da operação, novas surpresas. Agentes políticos respeitados, servidores municipais de carreira, empresários promissores, a corrupção não poupou quem estivesse disposto a pagar seu preço. Acontece que a fatura é alta e chegou antes do previsto para o grupo de 86 réus que agora responde à Justiça Federal por inúmeros crimes, entre eles formação de organização criminosa. Culpados ou inocentes, somente após a conclusão do processo é que poderemos opinar com a devida segurança.

 

Entretanto, julgamentos à parte, fato é que, de acordo com denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF), fundamentada por meio da quebra de sigilos fiscais, bancários e telefônicos dos investigados, todo o esquema montado para ocupar as repartições públicas do município, tanto na Prefeitura quanto no Legislativo, começou a ser articulado ainda durante o período eleitoral de 2012.

 

Isso mesmo, há exatos quatro anos, em plena campanha para eleição de prefeito e vereadores, corruptos e corruptores se uniram com o propósito de chegar ao poder para saquear os cofres da cidade em benefício de seus interesses particulares.

 

Importante destacar que estas pessoas alcançaram seus objetivos de forma democrática, por meio do voto e com o apoio da maioria da população.

 

Estamos novamente em pleno período eleitoral. A cidade está mobilizada e nos próximos dias irá eleger o futuro chefe do Executivo e 15 parlamentares para a Casa de Leis.

 

Diante deste cenário, de que forma Foz do Iguaçu pretende chegar a 2020?

Leia também